Os Meus Caminhos
Jan17

Os Meus Caminhos

Nas ruas sinuosas da Arménia sinto-me enjoada e perdida, à espera de chegar ao destino.

Read More
Uma Maratona Pelos Museus de Erevã (Arménia)
Oct16

Uma Maratona Pelos Museus de Erevã (Arménia)

Nos últimos dez anos, a Arménia aderiu aos eventos da Noite dos Museus, e tem vindo a celebrá-los com grande entusiasmo. Este é um ano único para a Arménia, já que 100 museus em todo o país se juntaram ao evento, 39 dos quais estão localizados em Erevã. No dia 17 de Maio, os museus têm entrada livre e estão abertos a todos os visitantes, das 6 da tarde à meia-noite. Por isso, levei a minha câmara e caminhei por tantos museus quanto podia no tempo limitado que tinha.

Read More
Uma noite nos museus – impressões europeias
Oct09

Uma noite nos museus – impressões europeias

Quem nunca sonhou em passar uma noite num museu? Gostaria de saber como são os quadros, as obras de arte e as esculturas à luz do luar?
No Sábado 17 de Maio, o grupo de cultura de Meeting Halfway tentou fazê-lo por si. Bem, fizeram-no durante a noite europeia dos museus. Não visitaram cada um dos milhares de museus que participaram, mas da Grécia à Sibéria, da Espanha à Hungria, vamos dar uma vista de olhos ao que eles viram!

Read More
Liberdade acima de tudo: Andrea Petrović
Oct01

Liberdade acima de tudo: Andrea Petrović

“Juventude é como diamantes ao Sol e diamantes são eternos”, diz a letra da canção dos Alphaville “Forever Young”. Uma rapariga nos Balcãs brilha como um diamante mesmo estando frequentemente rodeada de pedras. Ela recusa pertencer. É ela própria. Andrea Petrović, a pintora, a música, a artista.

Read More
Gosto dos meus homens…
Nov12

Gosto dos meus homens…

Talvez seja o sotaque estrangeiro quando fala que te derrete o coração. Talvez seja como te segura, ou te despe, ou te sussura no ouvido, que te deixa louca. Talvez seja a forma como a cor da pele dele se mistura com a tua de uma maneira tão perfeita que nada se compara. É assim que gosto dos meus homens. Como gostas dos teus?

Read More
“Voltar ao russo não é o mesmo que ao castelhano”
Oct17

“Voltar ao russo não é o mesmo que ao castelhano”

“Voltar ao russo não é o mesmo que ao castelhano / Voltar às duas línguas / Duplamente impossível.” Com estes versos, Natalia Litvinova resume a sua atitude perante a vida como escritora na língua castelhana e tradutora do russo, dois mundos literários que se encontraram por um instante no Meeting Halfway.

Read More
css.php

Ao continuar a usar o site, está a concordar com a nossa utilização de cookies. mais informação

As definições de cookies neste site são “autorizar cookies” por defeito, para providenciar a melhor experiência de navegação possível. Se continuar a usar o site sem mudar as definições, ou se clicar em “Aceitar” abaixo, está a consentir que se mantenha esta definição.

Fechar