Uma noite nos museus – impressões europeias

Quem nunca sonhou em passar uma noite num museu? Gostaria de saber como são os quadros, as obras de arte e as esculturas à luz do luar? No Sábado 17 de Maio, o grupo de cultura de Meeting Halfway tentou fazê-lo por si. Bem, fizeram-no durante a noite europeia dos museus. Não visitaram cada um dos milhares de museus que participaram, mas da Grécia à Sibéria, da Espanha à Hungria, vamos dar uma vista de olhos ao que eles viram!

20140830 museum night Photo 0 _ Home page

Emoção e surpresas no Museu da Morte – Rússia

O Museu de Cultura Funerária Mundial em Novosibirsk, capital da Sibéria, foi um dos destinos mais populares para celebrar a Noite dos Museus – 2014. Os visitantes tinham a oportunidade de não só conhecer melhor todos os apetrechos da morte e ritos funerários mas também ver os seus personagens preferidos de diferentes histórias de embalar. Aos que buscam emoção também lhes esperava uma surpresa, visto que tinham a oportunidade de sentir o que era estar de alguma maneira morto. Para fazê-lo, tinham de reunir a coragem para se deitarem dentro de um caixão de cristal do Morto Czarevna, um famoso personagem de um conto de fadas do grande escritor russo, Alexander Pushkin. O Museu também organizou uma competição para o melhor disfarce da noite. Por isso, ver uma mulher jovem afogada, uma encantadora bruxa ou um velho escritor russo no meio na multidão era algo absolutamente normal.

Apesar da morte e de muitos acessórios funerários estarem associados com mágoa e lágrimas, ainda se preservava um ambiente alegre de carnaval no Museu da Morte naquela noite. Viam-se sorrisos em todo o lado. Contudo, sentimentos de circunspecção e de ligeira tristeza podiam ser lidos em alguns olhos.

Helen Mogelyuk (Rússia)

Um sentido místico no Museu de Cultura Bizantina em Tessalónica – Grécia

O Museu de Cultura Bizantina de Thessaloniki celebrou a noite nacional dos museus ao abrir as suas portas ao público para uma noite especial, onde a literatura e a música se juntaram de forma bem sucedida com as exposições. A atmosfera era muito quente. O público, composto tanto de jovens como de pessoas mais velhas, via os eventos com uma reverência quase religiosa.

A presença da cena antiga unia-se perfeitamente com os sons do oud, do contrabaixo e da narrativa, que dava, ao mesmo tempo, um sentido místico ao local onde o passado se encontrava com o presente.

Yiorgos Toumanidis (Grécia)

Uma noite de multidão em Barcelona – Espanha

Para começar, às sete da noite já estava no museu do chocolate. Mas que surpresa foi descobrir uma fila de duas horas! O curioso disto é que este não é um dos museus mais emblemáticos por aqui, nem sequer é uma rua muito povoada. Pelo que pude ver, este museu era especialmente popular entre famílias com crianças.

Como percebi que era impossível entrar no museu, dei uma chance ao “Museu Diocesà de Barcelona”. Neste, muito próximo da catedral de Barcelona, havia uma exposição do trabalho de Gaudí. Tinha menos gente, mas ainda continuava cheio de visitantes que aproveitavam a oportunidade de entrar no museu de graça. Arrisco-me a dizer que havia o mesmo número de turistas e residentes locais.

Por toda a cidade existiam locais onde se podia entrar de graça. 72 museus abriram as suas portas ao público. Sem qualquer dúvida, o mais espantoso e impressionante momento da noite foi quando fui a “La Pedrera”, o famoso edifício de Gaudí localizado no Passeig de Gràcia, com a sua longa fila por toda a periferia da praça.

Miriam Vázquez (Espanha)

Tradição e enigma para o Museu Nacional Húngaro – Hungria

Balões, vielas de roda, chuvas de primavera e a junção dos museus húngaros. O Museu Nacional Húngaro convidou 107 museus de todo o país para organizar dois dias ao ar livre para celebrar a chegada de Maio. O festival pretendia popularizar colecções particulares que apresentavam tradições nacionais, tais como o tecido húngaro tingido de azul, vielas de roda, ovos de páscoa ou o “Telefone Herald” usado no império austro-húngaro. Contudo, o objectivo era também introduzir especialidades internacionais, tais como uma colecção de bandeiras de todo o mundo, ou danças populares da Baviera.


Apesar do tempo caprichoso e da ligeira chuva a cada dez minutos, muitos visitantes passearam ao longo do parque do Museu Nacional desde manhã cedo até horas tardias da noite, onde museus participantes colocavam as suas tendas para as exposições.

O tema do evento no qual se baseavam as exposições era de certa forma misterioso. Aos museus foi-lhes oferecido um enigma : os dois números “19/20” que tinham de interpretar de alguma maneira. Diferentes exposições tinham diferentes soluções; contudo, os museus definiram este enigma como a viragem do século. Logo, invenções, disfarces, literatura e música dessa época eram expostas. O parque era uma mistura de interpretações de famosas personagens históricas, tais como Francisco José I, ou jovens conhecendo as diferentes tradições culturais, e especialistas em museus. Um agradável tumulto e alvoroço.

Zsófia Szlamka (Hungria)

Uma noite alternativa em Paris – França

Uma vez mais em Paris, a noite europeia dos museus assustou-me. Demasiadas pessoas, demasiados museus, demasiadas opções…então decidi surpreender-me a mim própria ao calhas. Decidi ir a uma galeria alternativa numas velhas casas de banho públicas.

20140830 museum night Photo 10 _ looking at the photos on the wall of an old public toilets in Paris.

Criada para a noite por estudantes de arte, haviam desenhos nas paredes, quadros no outro lado, um filme a ser projectado ao fundo….Os velhos cubículos das casas de banho eram o local perfeito para esta fotografia new age. O estilo à anos 20 das casas de banho contribuía com alguma ilusão de classe para esta efémera galeria. O evento chamava-se “Artreet #1”, um sinal, talvez, de muitas mais surpresas para vir.

Edwige Jeannenot (França)

Descobrindo a cidade das especiarias – Rússia

Mais de 400 pessoas visitaram a exposição do projecto “Yekaterinburg – a cidade das especiarias” no Museu de História da Universidade Estatal de Economia de Ural, em Yekaterinburg, Rússia. Durante a noite de 17 de Maio, a Universidade não dormiu, mas espalhou os odores de cravos-da-índia, alecrim, canela, cardamomo e menta.

A área de exposição estava dividida em vários campos interactivos. Durante a noite, toda a gente podia aprender sobre o seu horóscopo de especiarias e descobrir qual era a mais apropriada para o seu carácter e temperamento. A mais divertida e popular actividade para jovens adultos eram as tatuagens de henna, enquanto as crianças estavam ocupadas a pintar. Os estudantes da UEEU apresentaram o melhor quadro feito de especiarias.

Nina Groznykh (Rússia)

Esculturas de Vidro e Arte Moderna – Arménia

Visitei o Centro das Artes de Cafesjian que se localiza no centro de Erevã. Muitas pessoas brincavam com os filhos e cantavam fora do museu, enquanto uma grande fila esperava para entrar.

20140830 museum night Photo 13 _ A sculpture of a women smoking

A maior de todas era para o primeiro andar, onde se encontravam as esculturas de vidro de Dale Chihuly, Stanislav Libenský e Jaroslava Brychtová. Todo o Museu estava cheio de pessoas desejosas de ver esta arte moderna.

Tatevik Vardanyan (Arménia)

Para descobrir mais sobre o Museu de Erevã, não perca a Maratona da Noite dos Museus, brevemente em Meeting Halfway.

[crp]

Autora

Helen Mogelyuk (Rússia)

Estuda: Jornalismo Televisivo

Fala: Russo, Inglês

A Europa é a terra dos meus antepassados.

Twitter: @Magnetic_anger

Autor

Yiorgos Toumanidis (Grécia)

Estuda/Trabalha: Estudos Culturais Europeia, Teatro, Escrita Teatral e criativa

Fala: Grego, Inglês, Espanhol

A Europa é… uma grande a mistura de culturas que precisa ser sacudida para a direção certa.

Twitter: @yiorgostouma

Autora

Miriam Vázquez (Espanha)

Estuda: Jornalismo e Ciências Políticas & Administrativas.

Fala: Espanhol, Catalão, Inglês, um pouco de Francês e Alemão.

A Europa é… um lugar único onde pessoas de diferentes culturas, línguas e pontos de vistas convivem juntas.

Twitter: @mirabroad

Autora

Zsófia Szlamka (Hungria)

Estuda: Psicologia, Jornalismo

Fala: Inglês, Francês

A Europa é um ponto de encontro para mim.

Twitter: @zsofiaszlamka


Autora

Edwige Jeannenot (França)

Estuda: Jornalismo Televisivo

Fala: Francês, Inglês, Alemão

A Europa é… parte de quem eu sou.

Twitter: @dwigwi

Autora

Nina Groznykh

Estuda/Trabalha: Relações Internacionais/Estudos Regionais

Fala: Russo, Inglês, Alemão

A Europa está cheia de histórias incríveis.

Website: http://ngroznykh.wix.com/ninagroznykh

Instagram: http://instagram.com/ninagroznykh

 Autora

Tatevik Vardanyan (Arménia)

Estuda / Trabalha em: Matemática Aplicada / Fotógrafo, Fotojornalista, Documentador, Formador (Redes Sociais, Web)

Fala: Arménio, Inglês, Russo

A Europa é… uma colecção de culturas interligadas, pessoas, histórias e momentos no tempo.

Blog: http://phantomthroughlens.wordpress.com

Instagram: http://instagram.com/tatevikvardanyan

Twitter: @Tate_Vardanyan

Tradução

Margarida Catela (Portugal)

Revisão

Mariana de Araújo (Portugal)

Estuda : Física teórica

Fala : Português e inglês

Author: mariana

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

css.php